07 novembro, 2007

:: continuação ::

O papel do torcedor

O jogo é de fundamental importância para o Bahia. Caso vença, pode assumir a liderança do campeonato e confirmar o favoritismo rumo à Série-B do Campeonato Brasileiro. Porém, em campo, o Tricolor de Aço mais parece enferrujado. O time abusa das bolas esticadas e cruzamentos na área. Não sabe tocar a bola objetivamente, em direção ao gol, nem para cadenciar o jogo. “Como nem tudo que reluz é ouro”, numa bola cruzada na área o artilheiro tricolor acerta um voleio e balança a rede. É gol do Bahia! Tio abraça sobrinho, que abraça o “tio” em uma sucessão de abraços com pessoas desconhecidas. Desconhecidas, mas integrantes de um mesmo grupo, torcedores de um clube de futebol.

Victor Menezes é um desses torcedores que fazem parte da torcida do Bahia. Ele costuma freqüentar o estádio e prestigiar o time apesar de não estar satisfeito com a atual situação do tricolor baiano. “O torcedor quer estar lá, quer passar aquela energia, independente da situação”, argumenta. Dizem que “torcida não ganha jogo”, entretanto, jogadores, ou mesmo dirigentes, preferem as arquibancadas lotadas. O torcedor deve apoiar o tempo todo, com palmas, gritos, cânticos e comportar-se de forma ordeira. “Eu acho que antes de tudo ele tem que ser respeitador, cidadão. Ir pra lá mostrar sua paixão pelo clube sem violência, sem confusão ou baderna”, ensina Menezes.

À primeira impressão, parece que os estádios enchem somente na série principal. No geral, e os dados citados comprovam, esta arrebata muito mais torcedores. Ela também possui os cinco jogos com maior público, todos com mais de 60 mil pessoas. Porém, curiosamente, a torcida campeã em comparecimento [observando a média por jogo] é a do Esporte Clube Bahia, 34.250 espectadores, contra 34.195 do Flamengo [clube de maior torcida do Brasil] e 28.748 do São Paulo [Campeão Brasileiro de 2007 com quatro rodadas de antecedência]. O quarto lugar pertence ao Santa Cruz, atualmente na Segunda Divisão e correndo risco de rebaixamento, que levou uma média de 28.281 tricolores pernambucanos para o Arruda. O Brasileirão deste ano ficará marcado pelo retorno das torcidas às arquibancadas e pelo espetáculo proporcionado pelas mesmas, pois com a saída cada vez mais cedo dos craques para a Europa o nível técnico do futebol jogado por aqui deixa a desejar.

Fim de jogo. O Bahia deixou empatar e perdeu a oportunidade de liderar a competição. Como consolo, o fato de não ter saído dos quatro que conseguem avançar para a Série–B. Guilherme, não muito satisfeito, começa a deixar o estádio com seu sobrinho. O garoto não gostou do resultado, todavia, vai olhando o calendário dos jogos para saber o próximo que poderá assistir.

“– Você me traz né tio Guigo?”, pergunta Marcelo.

“– No próximo domingo...”, responde Guilherme.

____________________________________________

WIKIPÉDIA. Disponível em: . Acesso em: 5 nov. 2007.

CBF. Disponível em: . Acesso em: 5 nov. 2007.

Nenhum comentário: