15 março, 2009

Perder-se também é um caminho(?)

- Você precisa se perder para se encontrar.
- Sim, as crises costumam nos trazer soluções, mostrar saídas, mudar conceitos e atitudes.
- Pois é, mas eu quero é me perder, mas me perder para nunca mais me achar. Encontrar-se é bobagem...
- Calma aí. Encontrar-se, descobrir-se... como jogar esse jogo sem conhecer as regras, sem saber sua função?...
- ...
- Encontrar-se é descobrir aquilo que lhe enleva, para em êxtase, perder-se por inteiro...
- ...
- Queria ouvi-lo dizer sobre a importância do “se perder” e a bobagem do “se encontrar”.
- ...

- Hein?
- Aurélio define "perder" como, dentre tantas outras coisas, "(Bras. Pop.) Entregar-se à prostituição; cair na vida."
- Humm? Então o caminho é "entregar-se a prostituição"? Prostituir-se?
- É sim, "cair na vida"! Prostituição, por extensão, pode ser entendida como uma vida desregrada, ou seja, uma vida sem aquilo que lhe regule, dirija, reja ou governe...
- Uma vida livre dessa, dessa... ideologia definidora dos papéis sociais e coisa e tal?...
- ... uma vida pautada na experiência e apartada do conformismo...
- Hummmm... olhando assim dá até vontade de ser puta.
- Seja!
- Mas puta é um termo chulo, que traz impregnado todo um lixo social, tudo o que não presta.
- Puta, retorcendo o Aurélio, é uma mulher devassa... uma pessoa devassa pode ser uma pessoa que inquire e indaga, penetra na essência, invade e descobre.
- Uau!
- Basta olharmos com outros olhos, que não o daqueles que querem olhar por nós, para perceber que nada é o que parece ser.
- ...
- Inconforme-se! "Perder-se também é um caminho"!
- Agora estou começando a querer entender.
- "Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento".
- Ok, rendo-me. Como você se rendeu.
- "Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei".