25 maio, 2008

"Nossos ídolos ainda são os mesmos e as aparências não enganam não"¹

Semana complicada para mim essa que passou. Febre alta até quarta-feira e gripe até hoje. Estou bem melhor agora, afinal de contas qualquer gripe é melhor que a tão afamada dengue. Amanhã volto às minhas atividades físicas, já era hora de sacudir a poeira e sair do marasmo que deixei se re-instalar em mim, deixei não, tinha deixado.

Comprei a biografia do João Saldanha e estou louco para lê-la, por isso estou acelerando a leitura atual, A coroa a cruz e a espada, e adiarei a então futura leitura, As barbas do imperador, um livro sobre D. Pedro II. Essa leitura intermediária vai ser uma pausa interessante nessa minha caminhada de conhecimento pela história do Brasil... e por falar nesta caminhada, você pode até dizer que eu tô por fora ou então que eu tô inventando[2]..., mas rola um misto de agonia e encantamento à medida que vou descortinando a história do Brasil. Olha que tive excelentes professores de história [lembro da aula sobre o Grito do Ipiranga até hoje, D. Pedro I e suas dores de barriga...], mesmo assim, é triste “aprender” que Cabral “descobriu” o “Brasil”. Também é muito frustrante idolatrar certas figuras que sequer se identificavam com [digamos assim] o Brasil e seu povo, sua identidade [sic]. Imagine que entre a prefeitura e o Palácio Rio Branco há uma estátua de Tomé de Sousa. Quem foi Tomé de Sousa? Primeiro governador do Brasil, instalou o Governo Geral e blá blá, blá blá blá blá eu te amo[3]... Pior que não amo, aliás, melhor! Melhor que não amo! Tomé de Sousa quando chegou aqui a primeira coisa que desejou foi ir embora. O fato é que ele representa o poder, o sistema, a dominação. E assim, de alguma forma, os poderosos estão sempre procurando eternizarem-se na história. Parece haver uma espécie de conchavo, um acordo para assim se perpetuarem ao longo dos tempos. Bobô foi muito mais importante para o povo da Bahia do que De Sousa.

Por falar em Bobô... que time fudido da porra é esse o do Bahia? Horrível! A cara da diretoria. Não entendo como podem comparar a diretoria do tricolor ao cardeal. Este é um pássaro vistoso, com um canto puro e belo e não merece ser comparado com essa corja de atrasados e retrógrados, esses pestilentos e insistentes que se acham dono deste símbolo popular que é o Bahia.

Hoje eu sei que quem me deu a idéia de uma nova consciência e juventude, tá em casa guardado por Deus, contando vil metal[4]...

O triste de ser brasileiro é saber que somos a continuação da história de outro povo, num outro continente. Não existe história do Brasil antes de 1500. Não existe história do Brasil sem a visão eurocêntrica. Mas também não existiríamos se a história fosse diferente. Então, vamos conhecer nossa história e fazer diferente porque ser brasileiro também pode ser legal. A seleção brasileira e as músicas mostram isto, o berimbau também mostra, mesmo com uma corda apenas... [médico @$#%¨&!*#!]. Ser brasileiro é e pode ser bom. Vamos!!! Nós podemos fazer isso!!! Faça daí que eu faço daqui e quem sabe nossos bisnetos colham o fruto de uma sociedade melhor e mais justa. Um abraço e até breve!

________________________________
1,2 e 4. COMO NOSSOS PAIS DE Belchior POR Elis Regina DISCO Falso Brilhante GRAVADORA Phonogram (depois Polygram Records) ANO 1976 (LP) – 1990 (CD)
3. RÁDIO BLÁ DE Lobão, Arnaldo Brandão e Tavinho Paes POR Lobão DISCO Vida Bandida GRAVADORA RCA ANO 1987
IMAGEM: ILUSTRAÇÃO de Adilson Farias
PS: Para vocês que não sabem moro em Salvador-BA, então claro que estou falando da prefeitura da "minha" cidade. Por sinal... "me fassa uma garapa" desse prefeito.
PPS: Aqui em Salvador fudido é fudido mesmo, ou seja, é uma mer...@#%$%¨@#%.

16 maio, 2008

...

tratemos as outras pessoas sempre como um fim em si mesmo, e não como um simples meio para se chegar a outra coisa

Immanuel Kant (Königsberg, Prússia)
(22 de Abril de 172412 de Fevereiro de 1804)

12 maio, 2008

Música, viagem e cartas

"Não quero saber quem sou, morro de medo
nem quero saber pra onde vou, é muito cedo
[...]
Mas o que eu quero é saber
é o que apronta este lado do teu rosto
E o que faz o sossego morar
no que está posto.

Não guardo segredo mas sou bem secreto
é que eu mesmo não acho a chave de mim."¹


Resolvi antecipar o post da semana [sim, estou tentando postar 1 por semana] porque viajarei amanhã. No roteiro, os interiores de Bahia e Sergipe. Levarei uma máquina, mas não prometo fotos. Viajarei a trabalho e não me sinto a vontade com essas câmeras digitais automáticas. Registrarei Registraria alguns momentos... A viajem furou, adeu$ reai$

Semana passada escrevi uma carta, do jeito que tem que ser, escrita a mão, colocada naquele envelope com contornos verde e amarelo e enviada pelos correios. Em toda minha vida não escrevi mais de dez cartas, mesmo conhecendo pessoas queridas nos lugares por onde passei. Na época não existia nem e-mail e telefone interurbano sempre foi um problema $ério.

Acho que é porque gosto de olhar pro passado e admirá-lo naquilo que ele tem de bom e as cartas terem desempenhado um papel histórico de extrema importância. Você já se perguntou como as notícias eram transmitidas em 1800? E em 1500? E na Idade Média?

Acabei de ler um livro sobre a vinda da Família Real ao Brasil e ele foi baseado grande parte nas cartas que os membros da corte enviavam entre si. A carta de Pero Vaz de Caminha é um dos documentos mais importantes da história do Brasil. E no medievo? Ouço cavalos galopando... um mensageiro, uma carta... alguém contará algo e um outro alguém saberá.

Chico e Vinicius já compuseram por meio de cartas, quando a Ditadura andou por aí exilando uns e outros.

Pois é, em plena época do e-mail, celular, msn e eu aqui mandando cartas. Fazer o quê? Esperar a resposta...


PS.:
As referências abaixo são as originais, mas fui inspirado escutando Zé Ramalho cantando.

_____________________________________
. SANGUE E PUDINS DE Fagner e Abel Silva POR Fagner DISCO Raimundo Fagner GRAVADORA CBS (Sony Music) ANO 1976 (LP) – 1995 (CD)

08 maio, 2008

(mais) um diálogo meio louco e filosófico



– Quem surgiu primeiro, o ovo ou a galinha?

– A idéia.

– A idéia? Que idéia é essa rapaz?

– A idéia de que é a idéia quem veio primeiro.

– A idéia de que é a... Porra cara, num dá pra complicar menos não?!

– Velho, antes do ovo ou da galinha existiu a idéia de ovo e a idéia de galinha.

– É?

– Sim. Para o idealismo a concepção das idéias precede a sua realização concreta.

– Idealismo?

– Isso meu velho. Primeiro vem a idéia, depois a concretização.

– Hummm... Concordo não.

– Não concorda? Você acha que essa roubalheira toda que tem por aí é um ato impensado?

– Não, não, não. É TUDO MUITO BEM PENSADO!!!

– Então?

– O que me incomoda é pensar em algo que nunca senti...

– Agora é você quem está complicando.

– Cara, lembra quando Saramago chamou nossa atenção para o fato de sabermos olhar?

“Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara.”[1]

– E aquele professor que nos mandava escutar os sons do mundo?

– Claro!!! Bob Pai, né?

– Isso. Agora lembre do que vou te dizer: Sinta.

– Tô escutando.

– Sinta!!!

– Tô vendo velho, tô escutando... fala logo.

– Ver e escutar não são suficientes, é necessário sentir...

– Ah?

– ...sentir com os sentidos. Olhar, escutar, pegar, cheirar e saborear. Cores, sons, texturas, aromas e gostos.

–Aaaaaaaaaaah, então...

– Já parou pra pensar que...

– Para poder materializar algo mentalmente é necessário sentir?

– ...dentre as coisas que conhecemos apenas uma minoria é fruto da nossa percepção sensória? Ou seja...

– ...tivemos a oportunidade de conhece-las com nossos sentidos...

– Perfeito! E a maioria delas... você tem alguma idéia?

– Idéia?

– Muito bem, acertou!!!

– Você quer dizer que a maioria das coisas que conhecemos derivam de idéias?

– Das idéias que fazemos das coisas.

– Porra velho, essa volta toda pra chegar no mesmo lugar?

– Pensei que tinha entendido?

– E não entendi?

– Acho que não. A idéia vem depois do sentido. Pois como posso ter alguma idéia sobre algo, sem nunca tê-lo percebido com meus órgãos do sentido?
A partir do momento que tenho uma única experiência sensória desenvolvo uma idéia preliminar sobre o objeto ou coisa.

– Humm, faz sentido. (será?)

– Claro que faz! É assim que percebemos o mundo. Ou melhor, assim deveria ser...

– Deveria?

– Sim. O que venho dizendo é que as coisas estão aí independentes de nós as percebermos. A idéia de algo surgiu após alguém ter percebido esse algo, ou seja, peguei, cheirei, escutei, falei (provei) ou olhei e desenvolvi minha idéia, a idéia de como percebo esse algo, essa coisa.

– E eu com isso?

– Com isso você aparece, doido, querendo conhecer esse algo, elaborar a sua idéia dessa coisa.

– Obviamente.

– Porém, eu tenho o privilégio de escolher como você vai perceber...

– Por quê? Você é dono dos meus sentidos?

– Não, mas posso, ao invés de deixar que você sinta, descrever a coisa para você. Aí, você irá construir uma idéia baseada na minha e não nos seus sentidos. Essa idéia preliminar formada por você será ajustada ao longo de novas experiências “ideísticas” até que você ajuste-a “definitivamente” quando puder senti-la com seus aparelhos sensoriais.

– Porra!!! Você bebeu o quê? Hahahahhaa, que viajem da porra!

– Pois é, bebi nada não. O mundo de hoje está assim, com muita gente conhecendo as coisas baseado nas idéias dos outros, que por sua vez ouviu a idéia de outro...

– ...e por aí vai, pouca gente sente...

–...é, pouca gente sente e por aí vai... contentando-se com a idéia formada, não buscando conhecer por si...

– ...desaprendendo a amar, desaprendendo a sentir

– desaprendendo a sorrir...

Vem cá, dá um abraço aqui...


[1] Livro dos Conselhos apud Saramago (1995, p.9)

01 maio, 2008

Carta Magna????? Antes uma caneta(da) de ouro!

__________________________________________________________________

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza [...]

XVI - todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

:-s .|. :-x .|. :-|
____________________
______________________________________________