12 fevereiro, 2007

Por que escolhi jornalismo?

[Agosto, 2006]

O diploma nunca foi por si só, um fator motivador que me guiasse rumo à conclusão de um curso superior. Se assim o fosse, poderia estar formado há alguns anos em Medicina Veterinária ou Turismo.

Buscava algo que me proporcionasse prazer e satisfação, na busca das respostas aos questionamentos e dúvidas que trago comigo. Ao mesmo tempo, queria poder vislumbrar-me como profissional em determinado ambiente de trabalho. O jornalismo encaixou-se perfeitamente. Foi a principio uma escolha estratégica e pragmática.

Em 2003, “o ano da retomada”, estava desacreditado. Minha filha veio ao mundo no ano anterior de forma inesperada e meu currículo ostentava dois cursos universitários abandonados. Uma silenciosa pressão pairava no ar e convergia sobre mim. Os cursos de fotografia e editoração me deram pequenos trabalhos, que serviam como alívio, ‘válvula de escape’, em alguns momentos. Era preciso repensar, reprogramar minha vida. Os recentes conhecimentos em Astronomia traziam-me uma nova forma de ver, de estar e de sentir o mundo. As cortinas estavam se abrindo, começava a perceber a amplitude da vida. As ciências humanas estavam me achando.

No ano seguinte, 2004, ingressava na Faculdade Hélio Rocha. Como não havia (há) um curso de Comunicação Social Geral decidi me habilitar em Produção Editorial, acreditando na capacidade deste de estimular a leitura e a escrita, duas coisas que acredito estarem incrustadas em mim. Os semestres foram passando e a certeza de estar na área certa (humanas) aumentava, ao passo que a habilitação escolhida começava a ficar pequena, limitada.

Foi assim que decidi me transferir para jornalismo, confiando neste para me trazer muito mais conhecimento e possibilidades profissionais, uma vez que é bem mais abrangente. É certo que não sou ainda nenhum leitor exemplar, muito menos escritor, mas, tenho certeza que sou muito mais do que ontem e serei mais amanhã.

[Fevereiro, 2007]

Curioso. Uma estranha, porém prazerosa, sensação, revela-me a cada dia, nos caminhos proporcionados pelo jornalismo..., “são estes os quais imaginastes seguir”.

Guigo FG.